ATENÇÃO: Esta é uma página gerada automaticamente com base na sua pesquisa. Este site não disponibiliza links para downloads ilegais ou piratas.

aprender a surfar depois dos 30

O mar cria ilusões, a onda as questões, o surf as respostas
O mar cria ilusões, a onda as questões, o surf as respostas

O mar cria ilusões, a onda as questões, o surf as respostas

“O mar cria ilusões, a onda as questões, o surf as respostas.” Vício em dopamina, adrenalina na veia, busca incessante em domar o mar. Poucos esportes radicais proporcionam tanta comunhão com a natureza como o surf.

“O mar cria ilusões, a onda as questões, o surf as respostas.” Vício em dopamina, adrenalina na veia, a busca incessante por domar o mar. Poucos esportes radicais proporcionam tanta comunhão com a natureza quanto o surf. A prática de deslizar sobre as ondas há muito tempo já era conhecida pelos polinésios, provavelmente há mais de mil anos. Originalmente devia ser apenas um meio prático para os navegadores locais deixarem os barcos – era bem difícil fazer manobras entre certas ilhas – e alcançarem a terra rapidamente, vencendo com facilidade a arrebentação. Outros relatos dizem que, antes dos polinésios, antigos povos peruanos já se utilizavam de uma espécie de canoa confeccionada de junco para deslizar sobre as ondas. Mas o primeiro a documentar sua observação sobre a prática do esporte foi o navegador inglês James Cook que, em 1777, viu nativos haitianos surfando em longas pranchas. No Havaí, as primeiras pranchas eram de madeira e, no Peru, de junco. Havia por parte dos primeiros praticantes um culto ao espírito do mar, que começa na hora de fabricar a prancha. Cada um fazia a sua porque havia a crença de que a liberdade de energias negativas no mar só era possível com a energia positiva que cada um transmitia no processo de fabricação. O reconhecimento mundial veio com o campeão olímpico de natação e pai do surf moderno, o havaiano Duke Paoa Kahanamoku. Medalha de ouro nas Olimpíadas de 1912, em Estocolmo, Duke declarou sua paixão pelo surf e começou a fazer demonstrações ao redor do globo. Os primeiros campeonatos foram organizados pela ASP (Associação dos Surfistas Profissionais) na década de 70 sendo que o primeiro campeão do Circuito Mundial de Surf foi o australiano Peter Townsend, em 1976. Mas o alto nível de profissionalismo começou a partir de 1992 quando a ASP decidiu dividir o Circuito Mundial em duas divisões (WCT/WQS). No WCT competem apenas os 45 melhores surfistas do mundo, e o maior deles, sem dúvida é Kelly Slater, vencedor de 11 títulos. Outro campeonato reconhecido mundialmente é o Circuito das Grandes Ondas e a maior onda surfada da história foi a do americano Garrett McNamara, na praia de Nazaré, em Portugal: 30 metros que, no dia 28 de janeiro de 2013, impressionaram o mundo. Para você ter uma ideia da imensidão dessa onda, a medição oficial foi feita com imagens via satélite. O surf é um estilo de vida que também dita moda. Confortáveis e agradáveis ao corpo, as roupas surfwear, são despojadas e se renovam a cada temporada. Marcas como Quiksilver, Billabong, Rip Curl, Mormaii e Hang Loose, fazem enorme sucesso com suas coleções. Para fechar o post, deixo aqui um pensamento sobre esse que é o esporte radical mais praticado no mundo: “O surf é uma espécie de alpinismo onde a melhor parte é avalanche”.