c. Áustria | Murdoque
ATENÇÃO: Esta é uma página gerada automaticamente com base na sua pesquisa. Este site não disponibiliza links para downloads ilegais ou piratas.

Áustria

A segurança no Brasil está pior e a culpa também é sua
A segurança no Brasil está pior e a culpa também é sua

A segurança no Brasil está pior e a culpa também é sua

Que a segurança no Brasil não é lá essas coisas, você já deve ter sentido na pele, mas pra confirmar isso, o Índice Global da Paz divulgou recentemente um levantamento sobre os países mais seguros do mundo. Dos 162 países analisados, o Brasil ocupa a 91ª posição.

Que a segurança no Brasil não é lá essas coisas, você já deve ter sentido na pele, mas pra confirmar isso, o Índice Global da Paz divulgou recentemente um levantamento sobre os países mais seguros do mundo. Dos 162 países analisados, o Brasil ocupa a 91ª posição. No topo estão Islândia, Dinamarca e Áustria. Já os países mais violentos - caso você queira fazer um turismo por zonas de guerra - são Sudão do Sul, Afeganistão e Síria. Destaque para a Somália que passou da 161ª posição em 2013 para a 158ª. Composto por 22 indicadores qualitativos e quantitativos, que mesclam o impacto da violência na economia, índices de democracia, transparência, educação e bem-estar material, além do nível de militarização e atividades criminosas ou terroristas, a organização constatou que a Islândia segue como o país mais seguro para se morar. A Síria ocupa a última posição. A economia brasileira, revela o estudo, sofreu um impacto de U$ 117 bilhões de dólares causado pela violência. No tópico homicídio, o país atingiu a nota máxima. Para o especialista em segurança pública Bene Barbosa, presidente do Movimento Viva Brasil, o fato do país estar tão mal posicionado é alarmante. “O Brasil sempre foi tido como um país pacífico, mas as fracassadas políticas de diminuição da violência nos colocam em posição similar a de países em conflito ou com guerras civis”, afirma. Bene sentencia que o futuro também não é animador. “Não existe nenhuma proposta concreta no governo atual, nem nas propostas dos atuais pré-candidatos”, assevera. A solução para o problema, sugere Bene, não é a simples restrição da posse de armas que pune o cidadão de bem e privilegia o criminoso, que dispõe de amplo arsenal adquirido de maneira ilícita. “O Estado Brasileiro precisa formular uma política de segurança pública eficiente, determinada a propiciar às famílias a tranquilidade que elas merecem”. [caption id="attachment_1038" align="aligncenter" width="800"] Brasil no Índice Global da Paz (reprodução)[/caption]A Islândia, considerada pelo Índice Global da Paz como o país mais seguro para se morar, possuí uma população altamente armada. A página de internet GunPolicy.org estima que haja aproximadamente 90 mil armas no país – cuja população é de cerca de 300 mil pessoas. Isso faz com que a Islândia figure na 15ª posição no ranking mundial de posse legal de armas de fogo per capita. Já o Brasil, instituiu em 2003 o Estatuto do Desarmamento, que mantém regras rígidas e burocráticas para o porte e posse de armas, e também promove constantes campanhas de desarmamento, em que mais de 600 mil armas de fogo foram entregues voluntariamente. Entretanto, as restrições e a redução no comércio de armas de fogo legais no país ao longo dos últimos anos não foi capaz de reduzir a criminalidade, uma vez que seu número aumentou neste mesmo período. De acordo com o Mapa da Violência, em 30 anos, as mortes por armas de fogo no Brasil aumentaram 346%, sendo o sexto país mais violento do mundo com uma taxa de 26 homicídios em 100 mil habitantes. Não é à toa que é considerado um dos países menos seguros do mundo. *Pesquisa completa: Vision of Humanity.